publicoalvo.net

Fale Conosco 21 2580-3137
Atendemos a todo Brasil

Você está no nosso blog.
Fique informado periodicamente sobre as mais variadas notícias do setor.

x

Para receber informações sobre novos modelos, materiais, promoções e outras notícias de Público Alvo, preencha os campos abaixo e faça seu cadastro.

Confira: Embalagens comestíveis serão a solução ?

25Mai
25mai2012, sexta-feira - 14h59

Para reduzir a poluição provocada pelo lixo plástico, cientistas estão desenvolvendo uma solução revolucionaria: embalagens comestíveis.

A redução do consumo de plástico por este meio não é de todo recente e já haviam sido testadas embalagens em pele de tomate para gaspacho e em casca de uva para vinho.


Atualmente estão em teste embalagens individuais de chá, café e sopa em celofane solúvel em agua. Bastaria então ferver e... Consumir.

Pesquisadores da Universidade de Harvard trabalhando em colaboração com uma equipe de Indiana desenvolvem atualmente o conceito da embalagem comestível feitas a partir produtos unicamente naturais como frutas e legumes.

Dentro desta linha, foram desenvolvidas varias embalagens com o mesmo sabor do conteúdo,
São polímeros biodegradáveis e comestíveis que conteem partículas de alimentos.

Como polímeros são eficientes barreiras para o oxigênio e como produtos naturais são comestíveis já que não conteem bisfenol A (como em certos plásticos) cuja ação como perturbador endócrino é bem conhecida.

Paralelamente, surge a questão da higiene, pois os produtos são manipulados nos supermercados pelo grande publico. Neste campo, pesquisadores franceses concluíram que este tipo de embalagens serão dotadas de propriedades antimicrobianas 'inteligentes “ativadas em presença destes agentes patogênicos”. Uma simples lavagem em agua corrente bastaria então para tornar o produto consumível.

Certamente não será esta a única solução para redução do lixo plástico.
Outras formas de combate à poluição como a redução de embalagens múltiplas para os mesmos produtos, a redução das porções individuais e o incentivo a compra de embalagens maiores deveram continuar.
 

Fonte: www.maxisciences.com

Nenhum comentário

Recomende este produto

x